A importância de um sonho.


Desde criança que eu nunca fui de esquentar muito para o Natal e para os presentes desta efeméride de final de ano, até porque, como eu faço aniversário dia 27 de dezembro, e minha mãe por ter me criado sozinha, com algumas dificuldades e muita luta, acabava não tendo dinheiro para me dar dois presentes, e eu acabava ficando apenas com o de aniversário mesmo.
Mas isso nunca foi tristeza para mim, muito pelo contrário, pois pelo menos eu ainda conseguia ganhar alguma coisa no final de ano, e eu sempre soube que essa coisa vinha de um dinheiro suado, o que fazia o meu presente (independente do que fosse) ser o melhor do mundo, pois para mim ele vinha da melhor mulher do mundo, que era, e ainda é a minha mãe. E por conta disso tudo eu nunca cultuei um velinho com barba branca que vinha lá num sei de onde em cima de uns animais estranhos que eu nunca tinha visto em lugar nenhum.
Isso tudo me ajudou no meu amadurecimento precoce, pois eu nunca fui uma criança de perturbar na rua, de pedir coisas impossíveis para a minha mãe, até porque quando ela falava que não dava pra comprar, não dava e acabou. E eu sempre soube entender isso, e sempre me lembro dessas situações quando vejo alguma criança fazendo escândalo com os pais nas ruas por pouca coisa, na maioria das vezes são crianças mimadas, que fantasiam coisas ao extremo, e não possuem a noção da luta dos pais para conseguir as coisas.
A criança precisa ter a sua fantasia sim, mas ela também precisa saber da sua real condição, até para que desde muito cedo ela já pense em mudar esta condição, caso ela esteja insatisfeita com alguma coisa. E foi mais ou menos isso que aconteceu comigo, por ter amadurecido cedo, eu acabei criando uma visão além do meu tempo, e isso me ajudou e me ajuda bastante até hoje, até porque maturidade não tem nada a ver com idade.
Mas pra que eu estou falando desse lance todo de infância, maturidade e Natal? Fiz questão de dizer tudo isso justamente por receber um grande presente antecipado de Natal esse ano, e um presente que eu já estava esperando há muito tempo, e como eu não sou de ganhar nada de Natal, este presente mereceu este texto.
Estava eu dormindo, depois de mais uma noite de trabalho, quando resolvi acordar para ir ao banheiro, era umas três da tarde, e no caminho me deparei com um envelope em cima da mesa, era um envelope pardo grosso, da cidade de Mogi Guaçu – SP.
Logo que vi e toquei no envelope, eu já imaginava o que tinha dentro, só me restava rasgá-lo para acabar com a minha ansiedade e para confirmar se era mesmo o presente que eu tanto estava pedindo; e era.
Ao abrir o envelope eu pude ver logo de cara uma medalha pesada, e daí eu pude concluir muito feliz que o meu presente havia realmente chegado, era a MINHA PRIMEIRA PREMIAÇÃO DE POESIA EM UM CONCURSO LITRÁRIO!
Junto da medalha de menção honrosa, veio um certificado atestando a minha participação, assinado pelo Prefeito da cidade, pela Secretária de cultura, e pela Coordenadora do concurso; além da minha antologia, que é um livro com as poesias escolhidas pela comissão julgadora, que foi formada por 14 pessoas.
Este concurso de que falo foi o 28º da Biblioteca Municipal João XXIII, e foi separado por categorias, sendo elas: Adulto – outras cidades. Juvenil – outras cidades. Infantil – outras cidades. Adulto – local. Juvenil – local. E por fim, infantil – local. Ou seja, era um concurso que premiava separadamente os poetas residentes da cidade, com os de fora, e todas as categorias iam do 1º ao 6º colocado, e a minha poesia veio logo como a 4ª do livro, pois eu fiquei em 4º na categoria adulto – outras cidades com a poesia “Coração X geladeira” que postarei no final do texto.
Agora eu entendo perfeitamente quando algum atleta fala que determinada medalha teve gosto de ouro, pois quando a gente sonha muito com alguma coisa, não importa se foi em 6º ou em 1º, o importante é ter o valor reconhecido, e ser parabenizado pelo feito, isso é o que realmente importa.
Eu já participo de concursos culturais há algum tempo, mas não com a frequencia que gostaria e deveria. Às vezes eu desanimo um pouco e não confiro os editais, às vezes eu deixo passar alguns prazos de envio. Eu confesso que estava participando com certo relaxamento, justamente por achar que estava mandando as minhas poesias, e nada estava acontecendo, ninguém estava reconhecendo as mesmas como boas, ou aptas a uma classificação em um concurso oficial. E diante disso eu sempre pedia a Deus uma resposta, seja ela qual fosse, pois de nada adiantaria eu achar os meus escritos bons, se uma comissão julgadora também não achasse. E finalmente a resposta chegou.
E é por isso que eu não me importei com a colocação, pois o importante mesmo foi ser selecionado diante de tantas pessoas altamente qualificadas.
Sempre que eu falo que escrevo, e mostro os meus textos, as pessoas perguntam se fiz Letras, ou algo do tipo, e eu fico muito lisonjeado com isso, pois é sinal de que mesmo com o segundo grau completo eu estou fazendo bonito, e pelo visto os jurados do concurso acharam o mesmo, e isso é muito importante para mim, pois como eu já escrevi, eu estava precisando disso, até para me dedicar mais aos concursos daqui pra frente, e acreditar que coisas melhores estão por vir.
Gostaria de deixar aqui também, o meu registro a respeito da minha amada Liana. Ah como é bom encontrar uma companheira que consegue sonhar junto com a gente, chorar pelas conquistas realizadas, saber da importância que esse lance literário tem pra mim, dar muito valor a isso, e ficar feliz como uma criança a me ver com mais uma conquista, por mais simples que ela seja, pois ela consegue acreditar em mim da mesma forma que eu acredito, e era isso que eu procurava em uma mulher há muito tempo, essa simplicidade de conseguir sonhar os mesmos sonhos.
E é por isso que eu enfatizo a importância de um sonho, e a importância de acreditar nele, em si próprio e em Deus, pois uma hora ele lhe dará alguma resposta e mostrará o caminho certo a seguir, e hoje Ele me disse com todas as letras: “Bruno, segue seu sonho, pois muita coisa ainda está por vir, desanima não meu filho.”
O sonho maior são os livros, um dia esse sonho já foi distante, hoje ele está bem perto, até porque estou participando de alguns concursos que poderão patrocinar os meus livros. E enquanto isso eu vou fazendo a minha parte, escrevendo, e expondo a minha alma em palavras, como estou fazendo agora.
Muito obrigado a quem leu esse texto até o fim, pois isso é sinal de que VOCÊ torce por mim, e acredita em mim desde o início desse sonho. E a VOCÊ eu também digo: NUNCA DEIXE DE SONHAR!



Minha primeira poesia premiada:




Coração X geladeira.

Tem sempre as mesmas coisas dentro da geladeira,
mas mesmo assim a gente abre a todo o momento
desejando que algo novo surja, como por encanto.

Constantemente fazemos isso com os nossos corações,
já sabemos o que, e quem está dentro,
mas por teimosia o abrimos para o mundo,
desejando que o novo venha substituir o velho.
Mas dificilmente isso acontece,
e daí, descobrimos que foi tudo em vão.
Coração e geladeira só são antagônicos na temperatura,
de resto... Segue a mesma frustração.

Assim como as verduras e frutas velhas que insistem em
fazer morada – quase que fixa -
nas prateleiras de uma geladeira entediante,
as lembranças do nosso coração também
não perecem facilmente.

Não queiras que o pobre poeta entenda
o porquê das coisas serem assim,
o fato é que elas são assim!
Quentes e frias,
geladeiras e corações,
um, se esquentar queima,
e o outro, se esfriar morre.

Bruno Rico.

2 comentários:

Lais Simões disse...

Brunããoooo que TRIIII! Parabéns. Tu merece muito! Se dependesse de mim,teria todas as medalhas =) FORÇA e segue na luta. Beijão

Unknown disse...

Feliz aniversário!E parabéns pelo prêmio,fico orgulhoso.
Malcolm Martins Da Costa

Postar um comentário