E não é que rendeu.



Pois é; eis que a crônica “Salve Jorge”, escrita pelo preto aqui, e postada neste blog, deu muito que falar na internet.
Mais de 66.000 pessoas leram o texto, mais de 190 comentaram (isso só aqui, pois nas redes sociais não deu pra contar). O humilde blog que antes contava com 56 seguidores, agora está com quase 160. Meu texto foi compartilhado nas páginas oficias de artistas que eu possuo grande estima, como Gilberto Gil e EMICIDA.
É válido também dizer que as minhas palavras não ficaram restritas somente em solo brasileiro, recebi e-mail de um jornalista da França pedindo autorização para que o meu texto fosse publicado em uma revista do país: http://www.micmag.net/pt/sua-voz/1452-um-acontecimento-que-ocorreu-no-show-do-seu-jorge-no-rio. No meu e-mail também recebi inúmeros comentários de brasileiros que moram fora do Brasil, no meu Facebook as coisas também não foram diferentes, muita gente adicionando, comentando; e eu acabei conhecendo pessoas interessantíssimas. Ou seja, as palavras deram frutos, bons frutos! Confesso que não imaginava que o meu relato fosse tomar tamanhas proporções – até porque já escrevi inúmeros outros – mas que bom que dessa vez a coisa explodiu, fiquei muito feliz.
E diante de tudo que ocorreu, eu não poderia deixar de fazer pequenas ressalvas a respeito de algumas questões.
Antes de entrar nesse mérito, eu gostaria de agradecer a todos que leram o texto, todos mesmo, inclusive as pessoas que divulgaram e comentaram, pois o retorno de tudo isso foi muito gratificante graças a todo esse pessoal.
Gostaria também de deixar bem claro que eu li todos os comentários aqui do blog, vi que muita gente concordou com o meu ponto de vista, algumas discordaram, outras pessoas que também estiveram no dia do show comentaram e deram a sua versão, o que foi muito engrandecedor para todo o debate a cerca do assunto.
E é basicamente a respeito de algumas coisas ditas nos comentários, que eu gostaria de escrever um pouquinho.

A primeira questão de todas é o fato de muitas pessoas defenderem que a vaia não foi preconceituosa, pois grande parte do público não sabia que a declamação era “negro drama”, pois a maioria das pessoas sequer estava ouvindo claramente o que era dito.
Bom, concordo que no momento da declamação, as palavras não estavam 100% audíveis, até porque o arranjo não ajudou muito, porém, em diversos momentos, algumas frases marcantes da poesia/música, foram gritadas claramente pelo Seu Jorge, dando a entender que o que estava sendo falado possuía uma temática negra, e foi justamente aí que as vaias surgiram. Sem falar que depois da poesia, Seu Jorge fez um belo discurso político, e esse sim foi plenamente ouvido, e mesmo assim as vaias continuaram.
Eu sou muito observador, me atento a mínimos detalhes, e apesar de tudo que foi comentado aqui, eu continuo com a humilde opinião que no meio daquelas vais existia um pouco de tudo, inclusive preconceito.
Mas lógico que isso é uma questão de ponto de vista, e eu compreendo as mentes que pensam diferente, até porque vivemos em um país que tenta maquiar tudo que aparenta ser racismo, daí a população, e os próprios negros, ficam sempre na dúvida se é ou não. E olha que eu não sou de achar preconceito em qualquer coisa não hein.
Mas a questão que me incomodou em alguns comentários não foi nem essa em si, foi o fato das pessoas não acompanharem a carreira do artista.
Ora bolas, Seu Jorge declama “negro drama” a pelo menos três anos, e será mesmo que a maioria das pessoas não sabia que isso iria ocorrer no show da Lapa? Essa é a questão! Não entra na minha cabeça a pessoa pagar para ver o show de um artista que ela não acompanha.
Será que o público do Seu Jorge não sabe que o mesmo gravou uma música e um clipe com o Edi Rock, dos Racionais? Será que esse público não sabe que Seu Jorge esteve no palco do VMB deste ano cantando com o mesmo Edi Rock? E essas pessoas também nunca viram na internet, ou ouviram falar que o Seu Jorge declamava “negro drama” eu seus shows? Bem, se alguém que estava no show da Lapa, respondeu a todas essas perguntas com um categórico “não!”, eu só gostaria de fazer mais duas perguntas: o que raios esta pessoa estava fazendo lá? E o que faz este ser divino pagar para ver o show de um artista que ele não sabe a que pé anda?
Eu posso estar sendo chato, mas eu particularmente não vou a show de artista que eu não acompanho, eu não sou uma pessoa de ir a um evento musical para ouvir apenas uma ou duas músicas, para eu ir ao show de alguém eu tenho que gostar pelo menos de mais da metade de sua obra. E com tudo isso eu só posso concluir que grande parte do público daquele fatídico dia pensava totalmente diferente de mim nesse sentido, e eis aí o X da questão, ou da vaia.

Agora eu vou para outro tema, que também foi levantado aqui nos comentários. Teve gente dizendo que o Seu Jorge tem culpa nisso tudo, pois suas músicas atuais atraem esse tipo de público (digamos fútil), e talvez ele devesse repensar sobre as suas gravações. Sobre isso eu concordo em partes, infelizmente hoje em dia ter música em novela não atrai muita coisa boa mesmo não. E talvez alguns shows mais baratos, algumas composições com mais “punch” mudassem um pouco isso.
Porém o que eu não concordei foi com o fato de algumas pessoas darem a entender que o Seu Jorge esteja sendo hipócrita ao declamar “negro drama”, por ele andar de carrão, com uma loira do lado.
Bem, quem fala isso deve achar que a pessoa que morou na rua, ou nasceu na favela deve continuar por lá. Quem fala isso deve achar que as riquezas do país devem continuar nas mãos das mesmas pessoas de sempre. E quem fala isso com certeza não suporta ver um preto bem de vida. E a respeito da loira, mais uma vez entra a questão de não conhecer nada sobre o artista Seu Jorge. A loira em questão se chama Mariana, é casada com o cantor há anos, possui duas filhas lindas com ele, dá nome a música do Seu Jorge, e foi ela que praticamente mudou a vida do cara, ou seja, não é uma loira qualquer (rsrsrs).
E outra, esse tipo de gente que acha que preto não pode, ou não deve ficar com branca, e vice versa, pra mim é tudo um bando de preconceituoso. A nossa raça é uma só, a humana, e os humanos se relacionais entre si, independente de cor, que mal há nisso? Eu por exemplo me sinto muito mais atraído por mulheres negras do que brancas, mas isso não quer dizer que eu não veja beleza nas brancas, ou que nunca tenha me relacionado com uma; não tem nada a ver. Eu já ouvi homem dizendo, por exemplo, que nunca sairia com uma mulher preta, e eu sinceramente não consigo entender isso, pois pra mim um cara desses não é homem.
O fato das pessoas acharem que negro só deve ficar com negra já é um preconceito, e o fato das pessoas também acharam que as cores não podem se misturar também é um preconceito, pelo menos eu vejo assim, sei que muita gente pensa diferente, mas eu penso desse jeito. Pois na minha concepção de amor, e atração, a cor da pele não pode e nem deve cercear o sentimento de ninguém, o coração é que escolhe, e o tom de melanina, pra mais ou pra menos, não tem nada a ver com isso.

Puxa vida, eu tento ser sucinto nas palavras e dificilmente consigo, elas vão ganhando vida de forma impressionante, ainda mais com um tema rico como esse. Mas está tudo certo, pelo menos eu consegui esmiuçar boa parte dos tópicos que queria.
Pra fechar eu só gostaria de agradecer a todos mais uma vez, inclusive aos que elogiaram e criticaram a minha abordagem, pois todos são sempre bem-vindos.
Gostaria de pedir para as pessoas não sumirem do blog, pois eu posto muita coisa interessante aqui, inclusive, se o mundo não acabar no final de 2012, em 2013 eu pretendo lançar pelo menos um dos meus dois livros, estou me dedicando bastante para isso, e eu sei que através da matéria do Seu Jorge muita gente interessante entrou no meu blog, e tenho certeza que essas pessoas irão curtir muitas outras coisas que já estão aqui, e tantas outras que ainda virão pela frente. 
Leiam, reflitam, comentem, elogiem, critiquem, acrescentem; eu quero é isso mesmo.
Vivemos em um tempo de uma mídia seletista e tendenciosa, que noticia o que quer, da forma que quer; basta ver o caso do furacão Sandy que devastou Cuba e matou dezenas de pessoas no Caribe, e só os EUA é que foram notícia. Por conta disso tudo os relatos precisam ser propagados, algumas pessoas já estão saturadas de informações superficiais. E para estas pessoas eu digo: este blog é para vocês.
E salve Jorge! 

Bruno Rico.

5 comentários:

Lais Simões disse...

Parabéns novamente por tudo que ganhou com essa repercussão e por tudo que ainda virá. Tu já sabe o quanto te admiro e isso fica bem claro quando conversamos ao longo desses (sete?) anos.
Acho que talvez nem todas as vaias tenham sido por preconceito racial,mas acho que independente do motivo (pode ter sido "brincadeira" de alguns bêbados,ou de gente que queria tumultuar mesmo)foi falta de respeito,esse sim com o artista,com as pessoas que estavam lá para assistir o show, com a produção que preparou o show inclusive para aquele momento. No fim das contas,sendo preconceito (acho que também foi) ou não,o que se salienta é a falta de respeito dessas pessoas e eu digo RESPEITO,não educação já que em uma matéria do jornal O Globo vi o relado de uma advogada que estava lá e disse que "não foi assistir teatro". Não sei se essa pessoa também participou da vaia,mas pelo que ela disse,se fosse ao teatro e alguém começasse a cantar,também mereceria vaia? Sinceramente,essas pessoas deveriam assistir DVD em casa e ouvir seus cd's quietinhas num canto,assim eles conseguem manipular melhor a expressão artística que mais lhe agrada e não estragam a festa de mais ninguém.

Wilma Madeira disse...

Bruno,
Primeiramente, Parabéns!
Além de ótima estrutura de texto, ótimo conteúdo e tema, quero te parabenizar por algo que vejo cada vez mais escasso no ser humano e que sobra em você: a LUCIDEZ!
Sou negra, de família humilde, e luto todos os dias pelo meu lugar ao sol. Não sou hipócrita: nunca passei dificuldades e não sofri (prefiro passar por cima) com racismo, pelo ao menos até hoje!
Mas tenho um pai e uma mãe que são marcados por todos esses "problemas". Isso me dá alguma autonomia, como cidadã, de partilhar a mesma opinião que a sua: o ocorrido no show do Seu Jorge foi a mais genuína manifestação de racismo.
Estava presente na Fundição Progresso. Fiquei estupefata. Sem reação.
Aquele palco era do Seu Jorge, e as pessoas tinham que respeitar isso. As vaias foram um estupro nos meus ouvidos também. Me senti ultrajada e fiquei ainda mais impressionada com a força, postura e segurança do Seu Jorge, inabalável, que seguiu até o fim! Sensacional.
No mais, a minha avaliação disso tudo é que as pessoas simplesmente, perderam todo e qualquer referencial de RESPEITO.
Não gostou dos versos de Negro Drama? Vai dar um giro, compra uma cerveja, e retorna quando começar a tocar "Burguesinha"...

Jorge Moreira disse...

Meu irmão de cor! Fico feliz pela repercussão de teu texto, fiquei satisfeito com a tua iniciativa, mas não querendo me estender muito, gostaria de colocar apenas alguns pontos bem objetivamente, tentando contribuir com a reflexão.
Isso que ocorreu já era por mim esperado não me surpreendendo, seu Jorge não respeitou seu publico. O publico dele, ou o publico que ele pensa ser o dele, ou o publico para quem ele faz show, não quer ouvir NEGRO DRAMA, em sua grande maioria e portanto tem que ser respeitado.
Acho que ele tem que ir onde esse povo esta, e ai sim cantar o negro drama, e talvez para isso ele tenha que sujar um pouco seus pés de lama. To aqui aguardando!!!!

E com relação a sua esposa Mariana, que mudou a vida do cara... Fico muito triste que ainda existam negros que acreditam na maxima que só a mulher branca pode mudar a vida do homem negro...Ele mudou a vida dele, a mulher branca talvez até tenha sido um Green Card, para permitir o acesso dele a alguns lugares onde ele queria ou necessitava, na opinião dele ter acesso.

Agora devemos respeitar o publico do Seu Jorge, se o publico vaia, ele deve sempre ser respeitado.

To aguardando o Seu Jorge de braços abertos!!!!! Aqui onde vive o negro drama... nego aqui nós não te vaiaremos!!!!! E as negras lindas, vão adorar andar em tua companhia em um carrão importado, ou de chinelo de dedo pisando na lama!
Valeu dona Ana, valeu Racionais, estamos sacudindo as extruturas.

Parabens meu irmão, siga em frente!

Nego Jorge do Mont'Serrat

Gabi disse...

Cara, que sorte este texto lhe trouxe ein!?
Eu sou uma que chegou aqui por conta do post que foi compartilhado no face.
Parabens, sucesso e Salve Jorge que está trazendo coisas incriveis pra vc.

Letícia Santanna disse...

Moço, parabéns outra vez!
Tenho alguns comentários de concordância:
Sim. Havia preconceito nas vaias. Como disse antes cheguei a ouvir gente dizendo: "esse preto acha que é poeta?".
Algumas pessoas publicaram no mural da Fundição Progresso coisas desse nível. Eu respondi, fui ignorada e xingada.
Pior do que existir é o fato do nosso racismo de cada dia não poder ser revelado. As pessoas odeiam quando o percebemos.
Também estou de acordo quando você fala de conhecer o histórico do artista. Um homem que morou nas ruas da Lapa deve sim voltar a esse bairro contando sua velha história de negro drama. E viva nossa legitimidade de largar os esteriótipos. Ou não! MV Bill continua na favela. Parabéns pra ele. Seu Jorge preza por conforto, parabéns pra ele. O que me chateia é a hipocrisia de quem geralmente faz esse tipo de comentário. É gente que vive de status e passou a ouvi-lo por ter mudado o guarda-roupa.
Mas enfim... Sobre a tão invejada (por mim) Mariana, é exatamente o que vc falou. A gente se relaciona com outros humanos. Dane-se a cor!
E não me venha com a falácia de que é gosto, porque até isso é construído socialmente.

Parabéns outra vez!

Postar um comentário